Felipão está de volta, o que isso representa para o Palmeiras?

FELIPAO

Luiz Felipe Scolari foi novamente contratado pelo Palmeiras. Em poucos minutos após o anúncio oficial no site do clube, nem o servidor aguentou tanto acesso e a página principal do verdão saiu do ar.

Também pudera, bastou o anúncio para que a imprensa internacional repercutisse a contratação do técnico brasileiro mais vencedor do século.

Imprensa Internacional:

Felipão chega novamente ao Palmeiras em um momento complicado dentro das quatro linhas, assim como em 2010 (ano de sua segunda passagem), o Palmeiras em campo não tem demonstrado força em momentos decisivos, mesmo com os números do antecessor Roger Machado sendo muito bons em aproveitamento (69%), a liderança geral da Libertadores, classificação para as quartas de final da Copa do Brasil, o time não apresenta variações táticas que empolguem o torcedor, e, principalmente “quando o bicho pegou”, os resutados não chegaram.

Não espere de Scolari inovações táticas e malabarismos estratégicos. O treinador não chega por isso. Chega por alguns motivos que vão de blindagem à diretoria a briga dentro de campo.

Sua contratação retrata a falta de critério e convicção da dupla Alexandre Mattos e Maurício Galiotte, que desde o início da gestão (em janeiro de 2017), têm apostado em treinadores da chamada “nova geração”, como Eduardo Baptista e Roger Machado. Não deu certo, mesmo com Cuca campeão brasileiro pelo clube em 2016 pintando após a demissão de Baptista para tentar apagar mais um incêndio. O que não ocorreu, também por uma série de ações equivocadas da diretoria, como contratações que não foram solicitadas por Cuca, o episódio do afastamento de Felipe Melo onde o jogador acabou vencendo a queda de braço e continuou no clube etc.

Alguns episódios recentes com o elenco deixou problemas escancarado para os dirigentes o que os torcedores vêm dizendo há tempos, que o time, em campo não tem gana e não respondiam mais às mexidas de Roger Machado. Felipão tem tamanho, bagagem e currículo suficiente para barrar quem quer que seja dentro do Palmeiras, e, uma de suas exigências para fechar novo contrato foi justamente ter autonomia para tomadas de decisões que bem entender. Isso, poderia ser um risco nas mãos de alguém que não tenha conhecimento do que é o Palmeiras, mas não é um risco nas mãos de Luiz Felipe Scolari. Como brinquei nas redes sociais após o anúncio do treinador, ele conhece mais da história e como o Palmeiras funciona do que o próprio presidente aparentemente:

O técnico chega para literalmente botar ordem na casa, se achar que tem que tirar qualquer um da equipe, terá respaldo e tamanho para assim fazê-lo, se quiser colocar qualquer um, idem.

felipao-imprensa
Felipão discute com jornalistas na Academia de Futebol

A imprensa, certamente irá contestar, e, na verdade já começou, e até nisso o treinador vai ter condições de impor seu trabalho da maneira como é acostumado a fazer. Certamente perguntas sobre o 7a1 sofrido pela seleção brasileira enquanto Scolari foi comandante na Copa do Mundo realizada no Brasil virão, e ele vai saber lidar com isso, até porque, de lá pra cá, nunca se eximiu da culpa pelo resultado, como dizem por aí: matou no peito e dominou a situação.

Em clubes, o caminho de Felipão (hoje com 69 anos) é irretocável, só os números pelo Palmeiras já demonstram a sua importância:

Foram 408 jogos, 192 vitórias, 111 empates e 105 derrotas, é o segundo técnico que mais comandou o clube atrás de Oswaldo Brandão (585 partidas). Os resultados:

1997 -Vice Campeão do Campeonato Brasileiro
1998 – Campeão da Copa Mercosul (Hoje Sulamericana)
1998 – Campeão da Copa do Brasil
1999 – Vice campeão paulista
1999 – Campeão da Copa Libertadores da América
1999 – Vice campeão mundial
1999 – Vice campeão da Copa Mercosul
2000 – Campeão do Torneio Rio-São Paulo
2000 – Vice Campeão da Copa Libertadores da América
2012 – Campeão da Copa do Brasil

Muitos colocam na conta do técnico o rebaixamento do Palmeiras em 2012 (Felipão pediu demissão faltando 9 rodadas para o fim do campeonato brasileiro com o time na zona de rebaixamento), mas isso é realmente discutível pela qualidade, ou falta de qualidade, que o elenco tinha mesmo sendo campeão da Copa do Brasil. Gilson Kleina assumiu o comando da equipe na ocasião.

Como disse anteriormente, não espere de Felipão inovações táticas para o futebol brasileiro como sugere a “nova imprensa esportiva brasileira”, ele não foi contratado pra isso, foi contratado para que o Palmeiras volte a ser campeão. Alguns no vestiário terão que recolher o rabo entre as pernas e acatar ordens do xerifão que também é conhecido como paizão (vai depender qual o ponto de vista que alguns jogadores escolherão).

Em campo, veremos certamente um Palmeiras com mais vontade de vencer, mesmo que por muitas vezes não veremos o time atacando os 90 minutos, o estilo de jogo dos times de Felipão sempre foram de equipes aguerridas e não técnicas. Mesmo o Palmeiras de 1999 campeão que tinha no elenco o lateral Junior, Alex e Zinho no meio campo, o time era muito mais coração do que cérebro, e no clube alviverde, isso costuma dar mais certo.

E para os que ainda insistem em dizer que o técnico é ultrapassado e vão fazer questão de lembrar o resultado dele no Mineirão em 2014, basta lembrar que Luiz Felipe Scolari pode encostar na taça da Fifa, outros não, afinal de contas ele é campeão do mundo, o último pela seleção brasileira, inclusive.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s